Lado A, Lado B

Turn the record over
Hey, I’ll see you on the flip side.
There you go, turn the key and engine over…
Let her go, let somebody else lay at her feet

“45” – The Gaslight Anthem

 

wedding-turntable-1353927-m

Quando a lua deu seu primeiro sorriso no frio e insensível céu noturno, William esticou a folha em branco sobre a mesa da varanda, pegou a pena e o nanquim, se atrevendo a desenhar cautelosamente as palavras naquela carta que mandaria a Catherine. De dentro do quarto, atravessando a varanda, uma suave melodia dançava no ar, saindo da vitrola e do disco antigo, que em meio a cada nota mais grave, emitia um chiado como um lamento.

A pena era romântica, assim como os pensamentos que reservava para aquela jovem de pele morena e cabelos pretos que contrastavam com o branco marfim do sorriso dela naquela praia deserta que viajaram uma vez. E a cada suspiro que dava, lembrava de cada sorriso que ela dava na direção do mar, que parecia também ceder a seus encantos.

“Nessa noite a lua parece entender nossa distância. Ambas são crescentes e ambas tentam emanar uma luz em tom de despedida. Enquanto isso, minha cara Catherine, eu passo suavemente essa pena sobre uma página em branco, esperando que cada letra saia perfeita e simétrica, como o seu corpo e como a sua alma. No mais, apenas olho para o formato do satélite e comparo-o ao de seu sorriso, o qual me faz tanta falta.”

Assim, William escrevia em tom de saudades, esperando que cada descrição saísse perfeita naquela carta. Ela merecia toda aquela entrega de corpo e alma.

Ninguém jamais havia cativado aquele rapaz de uma forma tão intensa. E muitas tentaram. Tentaram à exaustão seduzir aquela nobre e pura alma que não cedia aos encantos, segundo ele, tão normais ou insignificantes; comuns que jamais serviriam tampouco para fazê-lo transitar entre a bipolaridade, esperando que um beijo curasse uma mágoa.

Mas com Catherine foi diferente. Talvez porque ela não tivesse a intenção, talvez porque ela não se preocupasse em tentar provar-lhe nada.

O som ainda dançava de acordo com os movimentos da mão direita do jovem e que a cada sibilar  da ponta da pena no papel espesso, parecia mais intenso e mais apaixonante. Era como se cada nota musical desenhasse o corpo de Catherine e como se cada tom traduzisse sua voz. Ele pensava mais e mais nela ao passo que a música tocava.

Do lado de dentro o quarto, uma moça, bem jovem e delicada, de pele branca como a neve e cabelos vermelhos como as flores do outono, esperava nua por uma resposta de William aos seus suspiros. Ela tentava brigar com a música, mas tudo que escutava era o frenesi da escrita de William naquele papel.

O som da pena parou e o papel foi dobrado e guardado. William adentrou ao quarto e possuiu a jovem que jazia em sua cama de forma intensa e sentimental , ao mesmo tempo em que não deixava seu cavalheirismo de lado. E foi assim a noite toda: o pensamento em Catherine e o corpo naquela jovem.  Ao fim do romance, a jovem vestiu-se rapidamente, beijou o rapaz e se despediu com rapidez, talvez com pressa de chegar a sua casa e evitar o olhar reprovador de um pai conservador. William assentiu, correspondeu e abriu a porta para a jovem, que saiu exatamente ao final do disco.

William caminhou em direção à vitrola e trocou o lado. Foi quando a sineta tocou.

Lá estava ela, de pele morena, cabelos negros e sorriso marfim, combinando com os trajes. Catherine se exibia naquela porta, esperando o convite para entrar.

William a recolheu para dentro de sua casa e a acompanhou até o quarto. Enquanto a moça se arrumava e deitava em sua cama, William se retirou para a varanda, esticou outro papel sobre a mesa, pegou a pena e o nanquim.

A lua deu seu segundo sorriso no frio e insensível céu noturno. De dentro do quarto, atravessando a varanda, uma suave melodia dançava no ar, saindo da vitrola e do disco antigo, que em meio a cada nota mais grave, emitia um chiado como um lamento.

William começou a escrever para sua amada, de pele branca como a neve e cabelo vermelho como o fogo. Jolene era seu nome.

“E enquanto o céu servir de fundo para aquele único sorriso no alto, meu pensamento estará em você. Deixarei que qualquer um deite ao seu pé esta noite, eu vejo você do outro lado do disco.”

E assim finalizou a carta e foi para a cama. O som parecia mais intenso e mais apaixonante a medida que seu corpo se aproximava de Catherine, mas o pensamento estava lá longe, em Jolene.

 

 

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s