Max e Petúnia

O amor nasce de pequenas coisas, vive delas e por elas às vezes morre.

Lord Byron

Max e Petúnia cresceram juntos. Desde que nasceram até a fase adulta, eles não se separavam.

A amizade que praticamente já se transformara em amor deixavam todos ao redor maravilhados com esse casal e podia-se ver que enquanto um estava com o outro, tudo era diferente e o mundo parecia um lugar mais bonito.

Os olhos de Max brilhavam, os de Petúnia também e ao fim da noite, ambos ficavam juntos protegendo um ao outro do frio que fazia na cidade onde moravam.

Completavam quase 13 anos juntos, o que significava grande parte de suas vidas, tanto dele, forte, seguro e leal, quanto dela doce, meiga e companheira.

Max e Petúnia transformavam Eduardo e Mônica numa baladinha chata de violão, Bonnie e Clyde em dois assaltantes fracassados e Romeu e Julieta num doce de queijo e goiabada. Nenhum casal era além deles, mas eles nem se importavam da fama, da platéia, apenas queriam ficar um ao lado do outro para sempre.

Mas, ao contrário da sensação de ambos, o mundo não era perfeito e, num mero deslize de Max, ele mordeu e feriu gravemente o filho de sua dona, um moleque impertinente de seus 5 ou 6 anos de idade, repleto de maldade, aos chutes e pontapés naquele pobre cãozinho de 14 anos.

Seus donos, revoltados com a resposta de Max à agressão, levaram-no para uma clínica, aplicaram sedativo e sacrificaram-no.

Max deu adeus à sua vida, com um olhar chateado por se separar de vez de seu amor, de sua companheira.

Alguns dias se passaram e Petúnia não comia mais, não brincava mais, nem chegava perto de seus donos.

Em sua tristeza, passou sua última tarde deitada ao sol, do jeito que fazia com Max. Com tristeza e saudades, Petúnia baixou a cabeça e foi ao encontro dele sem ao menos fechar os olhos.

Se os homens amam e sentem falta e não permitem a separação de suas caras metades, isso prova que também não conseguem separar outros seres feitos um para o outro. E, bem, talvez nada mais consiga.

Advertisements

One comment

  1. Helena Perdiz

    Maravilhosa!
    Adorei o “Max e Petúnia transformavam Eduardo e Mônica numa baladinha chata de violão, Bonnie e Clyde em dois assaltantes fracassados e Romeu e Julieta num doce de queijo e goiabada”.
    🙂

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s